Paróquia do Sagrado Coração de Jesus
22 de outubro de 2011

 

Saudações

Meus irmãos e minhas irmãs, hoje, reunidos ao redor do altar para celebrarmos a Eucaristia, nossos corações jubilosos entoam:Nos Vos louvamos, ó Deus, nos Vos bendizemos, Senhor. Toda a terra Vos adora, Pai eterno e onipotente. Os Anjos, os Céus e todas as Potestades, os Querubins e os Serafins Vos aclamam sem cessar. Santo, Santo, Santo, Senhor Deus do Universo, o céu e a terra proclamam a vossa gloria. A santa Igreja anuncia por toda a terra a gloria do vosso nome.

Celebrar a canonização de um santo é reconhecer o poder Criador, Redentor e Santificar do Deus Trindade que, encontrando um coração aberto e dócil à ação do Espírito Santo, atua em seu servo e faz de sua vida um hino de louvor à Santíssima Trindade.

Não foi diferente com Guido Maria Conforti. Sua vida foi um crescente deixar-se alcançar pelo Senhor que ele contemplava na natureza, no Crucificado e na Palavra. Inspirado no grande missionário São Francisco Xavier e em companhia de Nossa Senhora da Estrada ele viveu plenamente a missão evangelizadora da Igreja, nas três condições em que foi chamado a servir: como bispo no pastoreio da Igreja local, o compromisso com a missão “ad gentes” e a evangelização dos que perderam o sentido da fé.

Na contemplação danatureza,doCrucificadoe daPalavraGuido Maria Conforti penetrou no segredo do amor trinitário e compreendeu o que significa o homem para Deus. Tudo que fizermos para resgatarmos uma pessoa e levá-la a descobrir sua vocação de filho de Deus sempre será pouco. Por isso, o ardor missionário não conhece limites. A maior ajuda que podemos dar a uma pessoa é ajudá-la a fazer o encontro com Jesus Cristo.

A primeira leitura que ouvimos nesta liturgia, retirada do livro do êxodo, nos dá a certeza de que o encontro com Deus renova e aperfeiçoa a atenção e a solicitude para com as pessoas:Se fizerdes algum mal à viúva e ao órfão, minha cólera se inflamará contra vós.Este trecho nos indica que acolher o estrangeiro, a viúva, o órfão e o pobre nos ensina a viver o amor de Deus.

No evangelho, segundo São Mateus, que acaba de ser proclamado, Jesus reafirma o mandamento do amor àqueles que vieram para colocá-Lo à prova. Ao fariseu que lhe pergunta, qual é o maior mandamento da Lei? Jesus responde:“Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Esse é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a esse: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Toda Lei e os profetas dependem desses dois mandamentos”.

Na segunda leitura, ouvimos as palavras do apóstolo São Paulo dirigidas aos tessalonicenses, onde ele diz que a maneira de proceder de uma comunidade é a melhor forma de anunciar a novidade do evangelho:“Assim, nós já nem precisamos de falar, pois as pessoas mesmas contam como vós nos acolhestes e como vos convertestes, abandonando os falsos deuses, para servir ao Deus vivo e verdadeiro.”

A canonização de um santo ou de uma santa tem um objetivo evangelizador: colocar diante da Igreja comunidade a figura de homens e mulheres que a partir do encontro com Jesus Cristo viveram uma vida de entrega e doação aos irmãos , anunciando Jesus Cristo e seu Reino. Veneramos os santos por seu testemunho de vida, por sua adesão e exemplo de seguimento a Jesus Cristo como discípulos missionários. Temos muito a aprender lendo a vida dos santos.

A vida de Guido Maria Conforti coloca-nos no caminho da Campanha da Fraternidade deste ano. Ele amava e se extasiava diante danaturezaem seus constantes passeios pelos campos quando criança, adolescente e jovem. Essas lembranças o acompanharão por toda vida. Ele assim se expressava:“Feliz quem sabe ler o grande livro do universo! Ele será justo e bom. Dominado pelo pensamento da onipotência de Deus, terá puro o coração e generosa a mão. Sua vida será santa, possuirá paz inalterável, seu rosto será sereno, bela a sua morte, gloriosa a sua eternidade.”Pois,“O universo fala continuamente da sabedoria, do poder e da bondade do Criador”.

Na vida de Guido Maria Conforti há uma estreita relação entre o Cristo crucificado e a missão. Quando criança, no caminho entre a sua casa e a escola havia uma capela, no altar, um grande crucifixo, ele sempre entrava para rezar. Já idoso, lembrava esses momentos dizendo que“Ele fixava seu olhar em mim e eu também olhava para Ele”.Confidenciava“Este Crucificadome deu a vocação”.

O Cristo crucificado foi a fonte inesgotável na qual encontrou forças para vencer todas as dificuldades, quando fundou a congregação dos Missionários Xaverianos. Foi a Cruz de Cristo que o inspirou no zelo incansável e na dedicação total à missão “ad gentes” sem esquecer as necessidades da sua diocese.

Com Guido Maria Conforti aprendemos o amor àPalavra de Deus.Como jovem seminarista tinha como projeto de vida:Todos os dias vou ler ao menos um capítulo da sagrada escritura.”Como bispo, iniciou em sua diocese o projeto que hoje continua atual“o evangelho em todas asfamílias”e, para concretizá-lo criou a“Sociedade de São Jerônimo pela difusão do Evangelho”.

Uma forma de venerarmos e honrarmos Guido Maria Conforti, por ocasião de sua canonização, é intensificarmos as visitas missionárias às famílias, como nos pede o nosso quinto plano diocesano de pastoral, levando a Palavra, fazendo a leitura orante da bíblia, ajudando as famílias a fazerem o encontro pessoal com Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida.

A Diocese de São Miguel Paulista agradece a Deus poder contar com a presença missionária dos Padres Xaverianos que há 30 anos chegaram à região leste de São Paulo assumindo a evangelização de uma vasta região em Guaianazes, onde hoje temos 10 paróquias.

Nesta oportunidade, sendo intérprete de toda a Diocese de São Miguel Paulista, quero agradecer a presença da família Xaveriana entre nós, os padres, religiosas e leigos. Pedimos a Deus que conceda muitas e santas vocações a esta família religiosa para que perpetue entre nós o carisma de São Guido Maria Conforti.

 

Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dom Manuel Parrado Carral