Imprimir

A Campanha da Fraternidade e o 6º Plano Diocesano de Pastoral

O ano de 2015 marca os 50 anos de encerramento do Concílio Ecumênico Vaticano II. Discursando na última Sessão Pública do Concílio Ecumênico Vaticano II, naquele memorável dia 07 de dezembro de 1965, o Papa, hoje Beato Paulo VI, assim se expressava:: “Uma outra coisa julgamos digna de consideração: toda esta riqueza doutrinal orienta-se apenas a isto: servir o homem, em todas as circunstâncias da sua vida, em todas as suas fraquezas, em todas as suas necessidades. A Igreja declarou-se quase a escrava da humanidade, precisamente no momento em que tanto o seu magistério eclesiástico como o seu governo pastoral adquiriram maior esplendor e vigor devido à solenidade conciliar; a ideia de serviço ocupou o lugar central”.

Querendo reafirmar sua adesão e sua fidelidade às conclusões promulgadas pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, a Igreja no Brasil, seguindo as pegadas de Jesus Cristo que afirmou: “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos”(Mc 10,45), propõe como tema para a Campanha da Fraternidade deste ano “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e como lema “Eu vim para servir” e estabelece como objetivo geral: “Aprofundar, à luz do Evangelho, o diálogo e a colaboração entre a Igreja e a sociedade propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, como serviço ao povo brasileiro para a edificação do Reino de Deus.”

A Campanha da Fraternidade nos propõe como um de seus objetivos específicos: “Buscar novos métodos, atitudes e linguagens na missão da Igreja de Cristo de levar a Boa Nova a cada pessoa, família e sociedade”. Como Igreja Particular de São Miguel Paulista, encontramos neste objetivo específico um desafio e um estímulo a mais para assumirmos com audácia evangélica a primeira prioridade de nosso 6º Plano Diocesano de Pastoral “Ser uma Igreja em estado permanente de missão”, ser uma Igreja em “Saída”, como pede o Papa Francisco, realizando constantemente as Visitas Missionárias.

Outro objetivo específico dessa Campanha da Fraternidade é: “Atuar profeticamente, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para o desenvolvimento integral da pessoa e na construção de uma sociedade justa e solidária”. Para atuar profeticamente devemos nos reconhecer e viver em comunidade como povo de Deus, como família de Deus, procurando um amadurecimento constante na fé através de uma catequese querigmática e mistagógica, constante. O Papa Francisco nos adverte: “se não professarmos Jesus Cristo, nos converteremos em uma ONG piedosa, não na Igreja do Senhor”. Portanto, nossa opção preferencial pelos pobres deve ter seu fundamento na contemplação de Jesus Cristo que sendo Deus se despojou de tudo para fazer-se um de nós por amor, para nos salvar. Contemplamos Jesus Cristo em sua Palavra, pela leitura orante da Bíblia que deve ser cada vez mais praticada em nossos encontros, formações e reuniões nas comunidades, pastorais e movimentos.

Nesta quaresma que “constitui um tempo forte, um ponto de reviravolta que pode favorecer a mudança, a conversão em cada um de nós”,como nos lembra o Papa Francisco, a Igreja de São Miguel Paulista se propõe, cada vez mais, a resgatar a dignidade da pessoa humana criada à imagem e semelhança de Deus, demonstrando a solicitude e caridade de toda a Igreja nas situações de marginalização, exclusão e injustiça e nunca descuidando da dimensão missionária evangelizadora apresentando e defendendo sempre os valores do Reino de Deus.

Confiemos à Virgem Maria, Nossa Senhora das Dores, nossa caminhada quaresmal e nossos bons propósitos para que, vivendo intensamente este tempo favorável de graça e conversão, possamos celebrar com alegria a Páscoa do Senhor.

Dom Manuel Parrado Carral