Imprimir

No dia 31 de dezembro de 2020, nosso bispo diocesano, Dom Manuel Parrado Carral, presidiu a solene celebração eucarística da solenidade de Maria, Mãe de Deus, na Catedral de São Miguel Arcanjo, na qual também agradeceu a Deus pela passagem do ano difícil de 2020 e fez memória do 54º Dia Mundial da Paz.

DOM.MANUEL.2021

Salve, ó Mãe de Deus, vós destes à luz o Rei que governa o céu e a terra pelos séculos eternos!

Meus irmãos e minhas irmãs, depois de um ano de sofrimentos e provações provocadas pela pandemia, estamos reunidos em torno do altar para a celebração da Eucaristia, em clima de passagem para um novo ano civil que se aproxima. Maria, Mãe de Deus e nossa, nos acolhe e convida a vivermos a esperança, baseada na fé, e nos ensina a acreditar na possibilidade de um mundo melhor onde a palavra chave seja PAZ e a ação mais comum seja a SOLIDARIEDADE, como expressão da cultura do cuidado.

O Papa Francisco, em sua mensagem pelo 54º Dia Mundial da Paz, refletindo sobre a crise criada pelo Covid-19 escreve: “É doloroso constatar que, ao lado de numerosos testemunhos de caridade e solidariedade, infelizmente ganham novo impulso várias formas de nacionalismo, racismo, xenofobia e também guerras e conflitos que semeiam morte e destruição”.

O Papa continua: “Estes e outros acontecimentos, que marcaram o caminho da humanidade no ano de 2020, ensinam-nos a importância de cuidarmos uns dos outros e da criação a fim de se construir uma sociedade alicerçada em relações de fraternidade”. Nos gestos mais simples, façamos a experiência do amor a Deus e aos irmãos.

No dia a dia, rezemos uns pelos outros. Tenhamos cuidado com a nossa vida e com a vida dos irmãos, valorizando a Vida como Dom de Deus. Fazer dos pequenos gestos: usar máscara, lavar as mãos, usar álcool-gel, manter o distanciamento, evitar aglomerações, estar atento às recomendações das autoridades sanitárias como compromisso cristão com a vida.

Celebrando nesta noite a sagrada liturgia da Solenidade de Maria, a Santa Mãe de Deus, somos convidados a refletir, a partir da primeira leitura, sobre o valor da bênção. O Senhor disse: invocarão o meu nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei. Meus irmãos e minhas irmãs, como é importante o costume dos pais, avós, padrinhos e tios invocarem as bênçãos de Deus sobre os filhos, netos, afilhados e sobrinhos. Vamos, a partir do novo ano, revitalizar esse belo costume em nossas famílias.

Na segunda leitura, o apóstolo São Paulo na carta aos gálatas dá-nos o sentido da plenitude dos tempos. Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, para que  todos  recebêssemos a filiação adotiva  e, assim, como, filhos e filhas de Deus, podermos exclamar Abá – ó Pai!

Nesta solenidade proclamamos que Maria é a Mãe do Filho de Deus, ela é verdadeiramente a Mãe de Deus, ela é a Mãe da Igreja e por isso recebe todo o amor e carinho do povo católico. Coloquemos sob sua materna proteção o novo ano que se inicia suplicando que ela nos ajude a sermos fiéis discípulos missionários de seu Filho Jesus Cristo.

Maria é a mulher que vive da fé. O evangelista São Lucas, no evangelho que acaba de ser proclamado, nos diz: E todos os que ouviram os pastores ficaram maravilhados com aquilo que contavam. Quanto a Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração. Coloquemo-nos na escola de Maria. Que seu exemplo e sua intercessão nos ajudem a vivermos na fé e na confiança, mesmo quando não entendemos o porquê dos acontecimentos.

No dia de hoje, quando contemplarmos alguma imagem de Nossa Senhora vamos dizer, ao menos mentalmente, Minha Mãe! E experimentaremos que ela nos acolhe e nos anima a começar este novo ano com a confiança de quem se sente protegido e ajudado pela Mãe de Deus, que Jesus nos deu por Mãe.

Quero registrar aqui as palavras do Papa Francisco em sua mensagem de Ano Novo: “Renovo o apelo aos responsáveis políticos e ao setor privado para que tomem as medidas adequadas a garantir o acesso às vacinas contra a Covid-19 e às tecnologias essenciais necessárias para dar assistência aos doentes e a todos aqueles que são mais pobres e frágeis.”

Neste momento, retomo a primeira leitura, do livro dos Números, na qual o Senhor ensina a Moisés e a Aarão como abençoar a seus filhos. Com estas palavras, peço a Deus que abençoe a cada um de vocês, e que esta bênção chegue às suas famílias, aos doentes, aos idosos, a todos vitimados pela Covid-19, assim como aos profissionais da saúde:

O Senhor te abençoe e te guarde.
O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face, e se compadeça de ti.
O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a Paz.
Amém.

Que a graça de Deus nos acompanhe em cada dia de 2021.
Feliz Ano Novo!

 Dom Manuel Parrado Carral
bispo diocesano de São Miguel Paulista