Os bispos reunidos na 50ª Assembleia Geral (AG) no Centro de Eventos Padre Vitor Coelho de Almeida em Aparecida (SP) aprovaram, por unanimidade, um projeto de solidariedade entre as dioceses. 

O objetivo é criar um fundo com 1% da renda ordinária de cada igreja particular para ajudar na formação dos seminaristas das dioceses mais carentes.

O fundo terá contribuições por 5 anos e, de acordo com dom Guilherme Werlang, presidente da Comissão Episcopal  Pastoral para o Serviço da Caridade, Justiça e da Paz, atualmente são 31 dioceses com receita de até 20 mil reais por mês e 13 com renda de até 10 mil reais. “Todas as dioceses vão contribuir para esse fundo, até as mais carentes, porque para se manter um seminarista é gasto, por mês, cerca de 2 a 3 salários mínimos. O importante é que todas as dioceses trabalhem irmanadas na formação dos futuros sacerdotes”.

Dom Guilherme acredita que o projeto vai beneficiar todas as dioceses. “ Não é simplesmente chegar no final do mês e enviar um cheque para o fundo, mas levar a conscientização de todos os cristãos no sentido da necessidade da contribuição do dízimo. E no final todos sairão ganhando”.

Dom Odilo Pedro Scherer, cardeal arcebispo de São Paulo, afirmou que o fundo não será suficiente para suprir todos os gastos da formação de um seminarista. “Mas, é um passo importante para a reeducação da nova realidade. Sem a formação de novos sacerdotes, ai igreja terá problemas no futubro”.

Para dom Odilo, “a igreja do Brasil precisa caminhar com seus próprios recursos, sem contar tanto com a ajuda externa, mesmo porque, ela não é mais a mesma de antes”.

Dom Guilherme Werlang e dom Odilo Scherer participaram da coletiva de imprensa neste sexto dia de trabalho dos bispos.