flores2É impossível pensar a vida sem a presença da Mãe. O próprio Deus, para realizar o seu projeto redentor, pede a uma jovem o consentimento para tê-la como Mãe. Nossa salvação passa pelo generoso SIM de Maria, Mãe de Jesus, o Filho de Deus que se fez homem para nos salvar.

Nós, católicos, veneramos Maria e, carinhosamente, lhe damos os mais diversos nomes conforme os lugares e as circunstâncias: Nossa Senhora Aparecida, da Penha, de Guadalupe, de Fátima, do Divino Pranto, da Esperança, da Glória, da Paz, das Graças, do Pilar, de Monte Virgem, do Belo Ramo, do Caminho, do Carmo, do Rosário, Santa Maria de Nazaré, Imaculado Coração. Mas, Maria é uma só, é a Mãe que recebemos de Jesus, na pessoa do Apóstolo  João: Eis aí o teu filho... Eis aí a tua Mãe... e o discípulo a levou para sua casa”. Nós também a recebemos em nossas casas e em nossos corações.

A devoção mariana consagra o mês de maio à Maria, modelo e protetora de todas as mães. Conforme a tradição, no Brasil, a dedicação do segundo domingo de maio às mães foi iniciativa da Associação Cristã de Moços, em maio de 1918. Esta data foi oficializada pelo governo brasileiro em 1932 e, em 1947, Dom Jaime de Barros Câmara, Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro incluiu esta data no calendário comemorativo da Igreja Católica.

“Obrigado a ti, MULHER-MÃE, que te fazes ventre do ser humano na alegria e no sofrimento de uma experiência única, que te torna o sorriso de Deus pela criatura que é dada à luz, que te faz guia dos seus primeiros passos, amparo do seu crescimento, ponto de referência por todo o caminho da vida”.(Beato João Paulo II)

Mãe, todos os dias são seus, mas, neste dia especial peço licença para aproximar-me de você, através dessa mensagem, seja no apartamento, na casa, no barraco, no hospital, no asilo, no cárcere ou na rua e traçar em sua fronte o sinal da cruz. O brilho da maternidade que ilumina o rosto de cada mãe transforma o ambiente. Um pensamento de reconciliação e de generosa misericórdia para com aquelas que, vítimas de atrozes circunstâncias, deixaram desfigurar em si a beleza do instinto e do amor materno.

Neste Dia das Mães celebrarei a Eucaristia, às 8h00, no Hospital Santa Marcelina, nas intenções de todas as Mães vivas e falecidas. Envio  a todas minha especial bênção, como penhor das graças de Deus.

Dom Manuel Parrado Carral