Casa comum, nossa responsabilidade

Campanha da Fraternidade - 2016

Para a Campanha da Fraternidade de 2016 temos uma proposta emocionante: cuidar da Casa Comum que Deus nos deu e fazer dela um lugar saudável, no qual a fraternidade e a justiça corram como rios de água viva. Como Campanha Ecumênica podemos trabalhar a responsabilidade comum em unidade na mesma fé cristã onde o respeito à criação nos leva a tomar atitudes comuns em favor da vida.

Trata-se, pois, de uma missão que, assumida em conjunto, pode fazer valer nossa luta, nossas revindicações e nosso trabalho de conscientização para que todos possam assumir a grandiosa tarefa de cuidar da nossa Casa Comum. Que Deus nos ajude a viver com alegria e responsabilidade essa bonita missão! Como sinal desse compromisso, nos é proposto que durante a Quaresma realizemos o esforço de evitar o consumismo e o desperdício dos alimentos. Também que façamos um dia de jejum, doando aos mais pobres o que não consumimos neste dia.

A Campanha da Fraternidade WHPREMHWLYRVHVSHFt¿FRV que elencamos a seguir:

  • Unir igrejas, diferentes expressões religiosas e pessoas de boa vontade na promoção da justiça e do direito ao saneamento básico;
  • Estimular o conhecimento da realidade local em relação aos serviços de saneamento básico;
  • Incentivar o consumo responsável dos dons da natureza, principalmente da água;
  • Apoiar e incentivar os municípios para que elaborem e executem o seu Plano de Saneamento Básico;
  • Acompanhar a elaboração e a excussão dos Planos Municipais de Saneamento Básico;
  • Desenvolver a consciência de que políticas públicas na área de saneamento básico apenas tornar-se-ão realidade pelo trabalho e esforço em conjunto;
  • Denunciar a privatização dos serviços de saneamento básico, pois eles devem ser política pública como obrigação do Estado;
  • Desenvolver a compreensão da relação entre ecumenismo, fidelidade à proposta cristã e envolvimento com as necessidades humanas básicas.

O nosso gesto concreto que coroa a nossa participação antecipando nossa inserção no Mistério Pascal de Cristo deve ser, nesse Ano da Misericórdia, um ato de generosidade responsável que não doa só bens, mas sim, se converte à grande tarefa de zelar e cuidar da Casa Comum.

Convém lembrar que mesmo se conseguirmos trabalhar os objetivos específicos e levar cada vez mais pessoas a exigirem seus direitos básicos e fundamentais, como sem dúvida é o saneamento básico dever e obrigação do Estado, se cada um de nós não nos convertermos à causa da preservação da Terra, nossa Casa Comum, pouco estaremos fazendo.

O tempo da Quaresma nos convida à conversão e é tempo que favorece a nossa aproximação com Deus. Deus fez a Terra para nos servir de casa enquanto peregrinamos neste mundo. Cuidar dos rios, das nascentes e do mar, grandes decisões, só encontrarão eco quando cuidarmos do lixo: não jogarmos lixo na rua, darmos a destinação correta a todo e qualquer resíduo, principalmente os de alto grau de poluição e educarmos nossas crianças a amar a Terra e a sentirem-se cidadãs de todo o nosso Planeta.

 

D. Manuel Parrado Carral