“Praticar a Justiça, amar a misericórdia e caminhar com Deus” (Mq 6,8)

O mês de setembro, como mês temático da Bíblia, contribui para um reflorescimento do estudo e da reflexão bíblica como fundamento de nossa ação pastoral e de uma espiritualidade como nos propõe o prólogo da Constituição Dogmática Dei Verbum sobre a revelação divina: “afim de que pelo anúncio da salvação, o mundo inteiro ouvindo creia, crendo espere, esperando ame” (DV 1).

São abundantes os frutos do mês da Bíblia. Ano após ano, o povo de nossas comunidades apossa-se da identidade de ‘Povo de Deus’, dando novo impulso e sentido à sua caminhada como ‘Igreja-Povo de Deus’.

A cada ano é proposto um livro da Sagrada Escritura para o estudo e a reflexão. Neste ano somos convidados a estudar, refletir e fazer uma leitura orante do livro do Profeta Miquéias. A literatura profética é dividida em profetas maiores e profetas menores. Não que uns sejam mais importantes que outros, mas simplesmente pela extensão de seus escritos. O profeta Miquéias está entre os profetas menores, pois, seus escritos são compostos por apenas sete capítulos.

Na leitura do livro de Miquéias destacamos três características: 1. O profeta olha para a situação interna do país, para a realidade do povo e denuncia tudo o que está contrário ao projeto de Deus e que, em consequência, produz sofrimento e morte para o povo: idolatria, extorsão, roubo, injustiças sociais, profetas mercenários. Deus abomina isto. É preciso retomar o projeto de Deus: para que n’Ele nossos povos tenham vida...; 2. Em sintonia com o Ano da Misericórdia, o profeta nos indica que apesar das infidelidades, Deus não nos abandona, sua misericórdia não tem limites: “Qual deus é como Tu, que tira a culpa e perdoa o crime? Que não guarda para sempre a sua ira, porque prefere o amor?”(Mq 7,18). Praticar a Justiça, amar a misericórdia e caminhar com Deus” (Mq 6,8); 3. É o profeta da esperança: “ Mas tu, (Belém), Éfrata, embora o menor dos clãs de Judá, de ti sairá para mim aquele que será dominador em Israel. Ele se erguerá e apascentará o rebanho pela força de Iahweh, pela glória do nome de seu Deus... Ele será grande até os confins da terra. E este será a paz!” (Mq5,1.3.4)

A CNBB oferece subsídios para o mês da Bíblia. O texto base que apresenta de forma explicativa o tema, Para que n’Ele nossos povos tenham vida e o lema Praticar a Justiça, amar a misericórdia e caminhar com Deus organizado em seis capítulos e o roteiro de encontros bíblicos que oferece cinco celebrações para a reflexão em grupo.

Caros irmãos, membros das pastorais e movimentos vamos fazer do mês da Bíblia um tempo favorável para ouvir o que o Senhor tem a nos dizer: “Povo meu, escuta a minha instrução, presta atenção no que eu vou dizer” (Sl 78,1).

Dom Manuel Parrado Carral